quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Noite de Sonhos: Resignação

Um lençol escuro cobria o céu de sonhos... Não havia nenhum brilho que pudesse ser comparado à lua ou as estrelas para assim ser chamado de belo, a única coisa que brilhava eram algumas lágrimas que desciam pela nascente de dor que meus olhos observavam. Aquelas mãos se mantinham cruzadas, os outros olhos não me percebiam ali, eram sorrisos, trocas de carinhos e cada vez mais a vida lançava outra camada de forma a cobrir todos os sonhos e gerar seu esquecimento.
                Caminhei na direção contrária, sentei na calçada com as mãos na cabeça e escondendo de mim mesmo minhas próprias lágrimas, eu olhava para aquela fonte que nunca secara. Já não via a infinidade de sonhos, mas ainda sabia de sua existência.
                Por anos sonhei com um amor que na verdade nunca existiu, ou não deveria ter existido... Aquele amor que há tempos desfalecera fizera parte de mim por muitos anos: completava-me mesmo estando eu incompleto. Saciava-me mesmo nada dele consumindo. Fazia-me sonhar, quando sonhos ainda não existiam.
                Aquele sentimento perfeito, fora na verdade o mais imperfeito. Que exigiu que eu fosse mais racional que sentimental... Sim, às vezes é necessário ser sábio e escolher entre um sentimento ou sua própria felicidade.
                Eu sabia que Clara e Diogo estavam juntos, não sabia, porém que não haveria mais a amizade entre eu Clara e Diogo. Olho para eles e vejo uma junção de sonhos, e um desfalecer feliz de uma infelicidade, da minha infelicidade. Estavam felizes e naquele instante eu percebi que aquele sentimento jamais poderia ser responsável por minha alegria. Jamais poderia fazer parte da minha história...
                Por anos alimentei o imaginário, por anos corri atrás do que se mantinha parado. O amor estável, o amor perturbador, o amor egoísta, o amor que nada além de amor ainda não existia. Eu amava no instante que não sabia amar, que não sabia me diferenciar, me decifrar. Eu amava Clara, mas não percebia no amor que deveria nascer em mim por mim.
Agora sim, vendo as trocas de carinho, vendo que ambos estavam ali felizes percebi que o amor que eu senti, o amor que eu guardei, todo aquele sentimento não existiu. Era somente um sonho! Algo que sonhava ter, sonhava almejar, sonhava um dia receber... Era sonho! E meu céu acabava de ser coberto, eu perdia sua visão, eu perdia aquele raciocinar e com isto o seu sentir.
Levantei-me da calçada, enxuguei as poucas lágrimas que restavam e peguei meu casaco que caíra ao chão. Fui caminhando lentamente, finas gotas de chuva caíam sobre mim, finas gotas de sonhos se desprendiam do céu e caíam sobre a cidade, finas gotas frias e quentes, gotas secas e molhadas, gotas inexistentes e deterioradas... Pedaços do que eu sonhei, pedaços do que eu senti, parte da tristeza que por anos me prendia.
Diogo e Clara sorriam! Brincavam na chuva... Cantarolavam!
Diogo e Clara se alegravam! Corriam na chuva... Comemoravam!
Diogo e Clara se olhavam!
Diogo e Clara se aproximavam!
E os lábios, os lábios que deveriam ser meus lábios, nos dele se encontravam.
E as finas gotas, em grossas se transformavam... E a enxurrada me levava, me desaparecia e eu já não me encontrava mais. Não sei para onde fui, o que me tornei e se vivi sem ela... Sei que aquele amor morreu no instante que vi a junção do amor de Clara por Diogo. Era confuso sentir o insensível e viver, então, acabei desistindo de mim.

Por: Wesley Carlos

8 comentários:

  1. As vezes os sentimentos já chegam em nós tão avassaladores que não conseguimos identificar ao certo o que estamos sentindo, é confuso, e essa confusão rapidamente se transforma em aflição. Uma aflição que desespera, mas aos poucos nos amadurece, até que tenhamos maturidade suficiente para analisar, com racionalidade, o que estamos vivendo. Esta maturidade por vezes chega de forma drástica, através de uma realidade que é difícil de suportar, que mata tudo o que até então existia dentro de nós, tudo o que sentíamos,tudo o que éramos. Éramos o que sentíamos.
    É preciso que desistamos de nós, que nos permitamos abrir mão do que um dia fomos para ser quem realmente somos, para descobri quem realmente somos.
    Parabéns!!!
    Esse texto verdadeiramente me emocionou!

    ResponderExcluir
  2. O sentir é só nosso. E há uma grande diferença entre sentir e compartilhar. Compartilhar é sentir junto, e sentir junto requer uma estrutura construída através da convivência entre dois que desperte o amor.

    Quando a gente sente, essa estrutura não é construída a dois, e se limita a ficar só dentro de nós. É só nosso. Por isso que a dor depois é só nossa, e é do tamanho de nossa ilusão. :/ Poxa... e foi tão profunda a forma com que você tratou tudo isso...

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Olá, jovem Wesley
    Como eu disse, não sou bom leitor, mas lendo seu texto lembrei logo do que escrevi em REFLEXÃO: SONHOS NÃO SE REALIZAM. Se não tivermos coragem de sair de dentro da gente mesmo nada realizaremos. Quanto ao seu comentário, sem comentário, o meu texto ganha status e credibilidade graças às sua palavras. Obrigado.

    Um abraço, paz e bem

    ResponderExcluir
  4. A paixão nos transporta para um mundo de sonhos. Sonhos que podem ser vividos cotidianamente desde que o outro também sinta o mesmo sentimento. Quando a paixão não é retribuída, caímos num precipício, um local sem encanto, sem magia, sem luz. Todos procuram nos tirar de lá, tentam demonstrar que encontraremos novos amores. Os amigos insistem que voltaremos a nos apaixonar. No entanto, quando um desses amigos é a causa do "descaso com a paixão" ficamos ainda mais frustrados. Os sentimentos se confundem, ficamos encobertos por um lençol frio e sem cor. É nessa ocasião em que devemos optar pela paixão ou pela amizade. Não é uma escolha fácil, mas deve ser feita, pois senão acabaremos sem nenhuma delas. Não precisamos desistir da nossa própria felicidade, devemos apenas respeitar o sentimento dos outros, mesmo que isso dilacere o nosso coração, mesmo que nossas noites não tenham mas sonhos, mesmo que a nossa vida permaneça, por alguns dias, sem sentido, sem encanto!
    ---
    Meu querido estou tão orgulhoso de ter participado desse post com vc! Obrigado pelo seu carinho e respeito comigo.
    ---
    PS: Vou te confessar uma coisa. Dia 31/12/2011 tive que optar entre uma grande amizade e uma paixão fulminante que eu estava sentindo! eu optei. Está doendo muito, mas já estou me permitindo sonhar de novo. Eu optei. Escolhi a amizade dela.

    ResponderExcluir
  5. Olá querido Wesley,

    Então, que "garoto" é você, que não aguenta esperar pelo desfecho de um conto, de uma história, que poderá ter alguma semelhança com a realidade, mas foi, nitidamente inventada?
    Hoje, se vai SACIAR e bem.

    Olhe querido, se sente melhor? Depois de ler seu texto, que quero que seja, APENAS, inventado, fiquei com o coração nas mãos, pensando naquilo, que o "outro", o terceiro da história estava sentindo.

    NINGUÉM MERECE SOFRER POR PAIXÃO, E MUITO MENOS POR AMOR.

    Temos conceitos diferentes, opostos, mesmo, você e eu, em relação ao que significa e qual a duração do sentimento AMOR e do sentimento PAIXÃO.

    Diogo e Clara numa boa, e todos os verbos do Dicionário eram e foram poucos para espelhar a felicidade deles e "você", CAINDO AOS PEDAÇOS.

    POR MORRER UMA ANDORINHA NÃO ACABA A PRIMAVERA, sabia?

    Cientificamente, está provado, que o homem sofre mais, que a mulher após o final de um relacionamento amoroso. Vocês, nesse dia mesmo, se dão e aliviam, mas o fazem para esquecer a outra. Nós, não, levamos mais tempo a remoer a situação, mas quando partimos, já não voltamos.

    Tenha um excelente fim de semana, e ao que parece, já não nos falaremos, nestes dois dias.

    Beijos de muita ternura (estou tentando "substituir" Clara "risos") e de muita luz no seu magnífico coração.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado pela visita no casal 20, pode comentar sim rsrs. O blog é público, e sua visita é muito importante para nós!
    gostei do seu blog, sempre que der virei visitar.

    visita meu outro blog:

    http://errosxacertos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá Wesley,

    Aceito parceria sim! já coloquei seu link-me na minha página de parcerias e coloquei o seu blog na parte de "recomendo".
    Passe na minha página de parcerias e pegue o meu link-me e coloque em seu blog.

    estou seguindo, me segue também.

    http://errosxacertos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Maravilhoso seu post. Fico emocionada sempre que te leio, as palavras sempre tocam minha alma muito profundo. Sofrer por alguém é muito dolorido.
    Estou de volta depois de uns dias ausente.
    Desejo uma semana imensa de coisas boas. Obrigada pelo carinho da amizade...Um abraço!

    ResponderExcluir

Gostaria de agradecer, por você ler e comentar nos artigos postado neste blog, pois escrevo com amor e fico feliz quando vejo um pedaço da Essência de vocês aqui em baixo. Quando você comenta me dá a direção a qual devo tomar, o que tenho que escrever e/ou esclarecer.
A Essência agora está em você: Comente!!
Obrigado.