sábado, 30 de junho de 2012

Pingo de Esperança

Republicação
Resolvi abrir a janela do meu coração e deixar a suave brisa do amor que passava entrar e se apoderar para levar o odor da tristeza. Os raios daquele sol de entusiasmo invadiam e esquentavam cada cômodo oco de meu peito. Os delicados sons das vozes dos pássaros cantavam uma história onde a paixão me brindava com um olhar mágico e impulsivo.
Não havia nuvens naquele céu de lembranças, mas havia me esquecido de o olhar deslumbrado com a visão redirecionada às flores de esperanças que desabrocharam dias atrás. A primavera surgia trazendo o perfume suave das rosas para dentro do pequeno lar e uma borboleta delicada e flácida pousava na janela de meu peito e pausadamente movimentava suas asas descansando da longa viajem até chegar a mim.
Um beija flor da sorte surge e começa a sugar a água adocicada que eu havia posto na janela para atraí-lo há alguns anos, mas como a janela esteve fechada por tanto tempo poderia não ter o visto outras vezes. Resolvi, então, abrir as portas do meu coração e começar retirar as telhas de aranha no teto e nos rodapés. Movi alguns móveis do lugar, limpei a sujeira escondida por atrás deles e aos poucos o cheiro ruim de mofo se desprendia.
Peguei a vassoura da reflexão e varri toda a amargura para a garagem e deixei para recolher e ensacar depois. Movi as cortinas: a poeira do medo caia ao chão. Parei por um pequeno instante para descansar e sentei na janela olhando o jardim: (suspiro!) Como as flores estavam lindas e não percebia por ter deixado as janelas e portas trancadas por tanto tempo...
Um raio de luz era refletido pela água do chafariz onde um pássaro da raça fé se banhava contente por eu ter permitido que a água voltasse a se acumular ali. Logo a companhia toca, levanto-me e olho para ver quem queria entrar. Abri a porta de meu peito e a felicidade, que por muito tempo não me visitava, entrou. Sentou-se, conversamos calmamente enquanto tomava o chá de ponderação que prepara meio amargo.
Naquele instante não teria como ele ser doce, o açúcar tinha acabado há tempos e já passava despercebida sua ausência em mim. Conversar com a felicidade e tomar aquele chá parecia dá mais brilho e encanto ao jardim que por tanto tempo evitei visualizar. Meio apressada ela visitou cada cômodo do meu coração e mostrava sua satisfação com a faxina que resolvi fazer derrepente:
- Faltam somente mais alguns detalhes a ser alterado e limpado para eu voltar a morar contigo... - disse com um sorriso meigo na face e passando os dedos na cômoda onde eu guardava algumas palavras fortes e amargurantes que já havia recebido.
Após andar por todo o peito, ela volta até a mesa de chá e termina de beber o da xícara comigo.
- Deseja mais? – perguntei.
- Não, obrigada! Só quis mesmo vir para mostrar o que ainda falta para eu voltar a morar aqui, tenho que partir agora. Mas não tenha presa, devagar me alcançaras. Os que vão muito rápido a minha procura passam por mim e nem me percebem.
Levantou-se e saiu, pela mesma porta que entrara, acenando.
Juntei as xícaras e guardei o chá para terminar de consumi-lo mais tarde. Mirei os olhos por volta e vi que ainda havia muito que limpar ali. Peguei um pano de arrependimento, enchi um balde com lágrimas e o pano molhado nelas serviu para limpar toda a sujeira no chão da sala.
Estava tudo muito empoeirado, apesar de agora o ambiente está claro e perfumado, a faxina duraria por alguns meses até sentir o coração limpo por completo. Havia rastros do ladrão de sonhos por toda a parte, ele entrara e levara consigo todas as caixas de sorriso da dispensa. Precisava recuperar tudo que havia perdido para a solidão que eu já tinha expulsado junto com o nascer daquele sol que modificava minha vida.
Fui até a garagem e juntei toda a amargura, lançada lá, antes que o vento a trouxesse de volta para dentro do meu coração e desanimasse minha faxina. Ensaquei, coloquei o lixo na calçada esperando o caminhão semanal de recolha de sofrimento da companhia Amizade passar e o levar para reciclar em um sorriso e trazer a caixinha cheia deles para mim.
             E, por fim, sorri enquanto algumas alegrias brincavam de esconde-esconde de frente ao portão. Um portão que por tanto tempo esteve fechado acumulando resíduos de um sonho, de um sentimento, resíduos em meu coração de outro coração. Sentei no banco do jardim e olhei o por do sol que por tempo não nascia para mim. A lua que viria parecia ser cheia: cheia de vontade de viver e parecia querer compartilhar aquele novo sentimento comigo. 
Por: Wesley Carlos 

5 comentários:

  1. Bonito texto feito com o uso dos sentimentos. Precisamos abrir nosso coração para deixar entrar na nossa vida somente coisas boas, precisamos reorganizar, faxinar e saber deletar aquilo que nos faz mal. Querido amigo, bom retorno ao blog, felicidades!! Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Olá Wesley

    Bela faxina, todos precisamos fazer uma de vez em quando. Estou com saudade dos seus comentários.

    Um abraço, paz e bem

    ResponderExcluir
  3. Olá Wesley,
    Está muito sumido , Fiquei com saudades e vim ver as novidades.
    Sempre é bom abrir a janela do coração e deixar a esperança faz morada.
    A vida em si pra mim já é um pingo de esperança.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Olá Wesley, já tinha saudades dos seus textos!
    Gostei muito deste!

    Bom fim de semana
    Beijo
    Sónia

    ResponderExcluir
  5. Belo texto Wesley. Muitas vezes é esse pindo de esperança que salva a gente....
    Te visitei no FB
    Beijos!

    ResponderExcluir

Gostaria de agradecer, por você ler e comentar nos artigos postado neste blog, pois escrevo com amor e fico feliz quando vejo um pedaço da Essência de vocês aqui em baixo. Quando você comenta me dá a direção a qual devo tomar, o que tenho que escrever e/ou esclarecer.
A Essência agora está em você: Comente!!
Obrigado.